Beyond the Dark Portal

ATENÇÃO: esta resenha contém informações reveladoras sobre o enredo de “Beyond the Dark Portal”.

 

Beyond the Dark Portal poderia ser intitulado “Tides of Darkness parte II”. Neste livro, a queda da Horde na Segunda Guerra, dramatizada no romance anterior, torna-se somente um revés ao poderio de um mundo guerreiro que se recusa a declarar derrota. Com a reabertura do Dark Portal, as forças da Alliance precisarão exumar a Segunda Guerra, para, de uma vez por todas, vencer a necromancia da Horde e impedir a destruição não somente de Azeroth, berço da humanidade, mas de todo o universo. Dessa vez, a Horde descobrirá o verdadeiro significado de resistência, na medida em que a Segunda Guerra acontecerá em seu próprio mundo – Draenor.

Nesta resenha na série Warcraft, atentaremos às transformações pelas quais a civilização dos orcs passou nos anos que circunscrevem sua unificação e as três sucessivas grandes guerras protagonizadas por eles, numa série de tramas que vão de seu apogeu à sua queda, para identificarmos as mudanças mentais ocorridas no núcleo dessa cultura e, com efeito, questionar o carácter guerreiro da Horde. Nesse percurso, será necessário identificar esse caráter como o elemento fundante da cultura dos orcs, para vislumbrarmos as possíveis rupturas e permanências no conjunto de crenças e ideais que a constituem e, desse modo, caracterizam a Orcish Horde. Com isso, será possível compreender o processo de desvanecimento de uma civilização guerreira nobre, que culmina, em Beyond the Dark Portal, numa colcha de retalhos de orcs, por meio da qual há a propagação de pura violência e banho de sangue. Continuar lendo “Beyond the Dark Portal”

Tides of Darkness

ATENÇÃO: esta resenha contém informações reveladoras sobre o enredo de “Tides of Darkness”.

 

Nesta resenha inserimo-nos na guerra entre Orcs vs. Humans e vamos nos aventurar em um dos maiores conflitos da história de Azeroth: a Segunda Guerra. Em uma luta de dimensões globais, as diferentes nações e povos mobilizam-se para impedir o avanço de um inimigo em comum: a Horde. No clima de batalhas que envolvem todas as nações da humanidade a fim de proteger o mundo contra seus invasores, Aaron Rosenberg apresenta-nos um enredo em ebulição do começo ao fim, como um caldeirão cheio de elementos fantásticos.

Neste embate entre a humanidade e os orcs, iniciado com a invasão do mundo por esses seres alienígenas e pela destruição do Reino de Azeroth na Primeira Guerra –desenvolvido no romance anterior desta série e analisado na resenha de The Last Guardian (Da Paz, 2016), os orcs decidiram, depois de vencer a Primeira Guerra, rumar para o Norte e dominar todo o mundo. Naquela resenha vimos que, em meio a essa luta, Medivh, Garona, Khadgar e Anduin Lothar protagonizaram uma trama que proporcionou o desenvolvimento de reflexões sobre problemas filosóficos fundamentais, como questões sobre realidade e sobre liberdade. Agora, liderados por Orgrim Doomhammer, não mais sob o comando injusto de Blackhand e de Gul’dan, a Horde busca conquistar o mundo de modo que seu povo possa, finalmente, deixar de lado as guerras e prosperar honradamente nesse novo mundo rico em provisões e em terras férteis – num profundo contraste em relação ao planeta infértil dos orcs. No entanto, Gul’dan e seus warlocks, apesar de jurarem sua lealdade a Doomhammer, continuaram a levar a efeito seus esquemas e subterfúgios por detrás dos panos.

Com efeito, deste embate entre justiça e injustiça temos no enredo um prato cheio para a compreensão de como, por diferentes meios, é possível levar a efeito o comando de um povo ou de uma nação. Doomhammer, Gul’dan, os monarcas humanos e os líderes das outras raças governam seus povos de maneiras muito diferentes. Na luta por supremacia, nem sempre as ações justas são capazes de vencer uma guerra. Há momentos em que parece ser necessário agir injustamente, tendo em vista a vitória e a supressão do inimigo. Apesar disso, para que seja possível realizar qualquer feito em geral, parece ser necessário haver algum nível, por mais tímido que ele possa ser, de justiça entre os indivíduos envolvidos na iniciativa. Mergulhados nesse caldeirão mágico e fantástico da Segunda Guerra em Azeroth, formularemos a seguinte reflexão: será que a injustiça, de certo modo, é superior à justiça em uma luta por supremacia? Caso a injustiça seja superior nesse contexto, será que é possível realizar efetivamente qualquer feito de modo completamente injusto? Continuar lendo “Tides of Darkness”

The Last Guardian

ATENÇÃO: esta resenha contém informações reveladoras sobre o enredo de “The Last Guardian”.

Artigo publicado na edição Nº74, de setembro de 2016, Fantasia Fantástica e Filosofia, da Revista Pandora Brasil, ISSN 2175-3318.

 

The Last Guardian é provavelmente a narrativa mais filosófica de todo o universo de Warcraft. Do início ao fim, com Jeff Grubb as personagens refletem sobre a realidade, sobre liberdade, como também sobre verdade, ao longo de suas mais de 300 páginas. Ao mesmo tempo, as personagens encontram-se imersas no coração da magia de Warcraft, num momento que se situa entre o estabelecimento dos primeiros reinos em Azeroth e a solidificação do maior conflito dessa série: Orcs vs. Humans.

Nesse capítulo da história, podemos entender o desenvolvimento do enredo no período da Primeira Guerra, cenário em que a Horde derruba a poderosa capital Stormwind, acabando com a raça humana no Reino de Azeroth – cenário em que o filme Warcraft é baseado. Nas resenhas anteriores, em Rise of the Horde e em Unbroken, por uma perspectiva de enredo entendemos o surgimento da Horde em Draenor, seu conflito com os draenei, as consequências de seu pacto com a Burning Legion, a construção do Dark Portal e a sobrevivência do povo draenei. Em nossas análises, por sua vez, refletimos sobre a democracia, sobre os choques culturais entre diferentes sociedades, bem como sobre o sofrimento e seu lugar em nossas vidas.

Agora, o enredo de The Last Guardian narra a invasão dos orcs em Azeroth e seu conflito com a humanidade. A estrutura central do enredo, no entanto, gira de em torno de questões muito mais fundamentais: será que o universo opera cosmologicamente como um mecanismo implacável, representado pela figura de um relógio? Ou será que, pelo contrário, ele opera como uma ampulheta, sem a determinidade de ponteiros e de uma estrutura racionalmente ordenada? Será que temos liberdade para construir a nós mesmos através de nossas ações ou será que somos determinados a representar o papel que nos é imposto por natureza? E, finalmente, mesmo se fôssemos livres para racionalmente escolher como agir, será que seríamos livres em detrimento ao nosso próprio corpo e à própria natureza, isto é, às nossas necessidades e aos nossos desejos e a tudo aquilo que nos cerca? Em outras palavras, será que a nossa vontade é livre? Para refletirmos sobre essas questões, devemos primeiramente embarcar de cabeça na magia da torre de Karazhan. Continuar lendo “The Last Guardian”